Indicadores diversos, KPIs de custos e planejamento orçamentário: são muitos os aspectos a serem analisados na gestão financeira de uma empresa. Os responsáveis pelas análises lidam, é claro, com inúmeros desafios em meio a essas tarefas, concorda?

Nesse contexto, o conceito de payback se mostra como um fator de extrema relevância para obter o máximo de eficiência em relação às contas de um negócio. Por isso, elaboramos este artigo a fim de explicar sua utilidade e mostrar o que deve ser feito para calculá-lo precisamente.

O que é payback?

Em termos bastante resumidos, o payback nada mais é do que um cálculo simples, que serve para fazer uma estimativa do tempo que um investimento levará para “se pagar”. Ele se aplica tanto no início da trajetória empreendedora quanto em organizações já consolidadas no mercado, que precisam saber quantos meses demora para um recurso investido começar a trazer retorno.

Como funciona a análise do prazo de retorno do investimento?

O método do payback mede o intervalo demorado para reaver o valor de uma aplicação. Para isso, é considerado desde o momento em que a quantia foi aplicada até o ponto em que o montante é completamente recuperado.

Trata-se de um cálculo extremamente proveitoso para as lideranças empresariais, já que permite saber se uma decisão estratégica vale a pena, a melhor circunstância para tomá-la e assim por diante.

Para fazer uma análise realmente aprofundada sobre o cálculo, é imprescindível considerar o fluxo de caixa de sua empresa. Desse modo, caso não haja nenhum planejamento prévio nesse sentido, estimar o tempo de retorno pode ser uma perda de tempo.

Afinal, quando não é feita uma mensuração precisa e regular dos custos e receitas em seu negócio, o payback também é comprometido. Se a previsão de alguns recebíveis não se confirmar, por exemplo, é preciso subtraí-los para obter uma estimativa condizente com a realidade atual da empresa.

O alinhamento entre diversas práticas do gerenciamento financeiro e esse conceito pode contribuir imensamente para a obtenção de melhores resultados.

Como calcular o payback?

Explicaremos, em um passo a passo descomplicado, como calcular o tempo de retorno do investimento. Confira, logo abaixo, o que deve ser feito!

1. Some todos os custos de um investimento

Reúna todos os custos ligados à aplicação feita. Imagine, por exemplo, que, para dar início a um novo projeto dentro de sua organização, você investiu em funcionários, impostos, locação de imóveis, equipamentos, taxas e aluguel de carros. Ao todo, foram investidos cerca de R$ 50 mil, por exemplo.

2. Calcule a média do fluxo de caixa

Como mencionado, o fluxo tem um papel determinante em relação ao cálculo. Portanto, é necessário orçar a média do seu fluxo de caixa em um determinado período — mensal, trimestral, semestral ou anual — de acordo com as necessidades da empresa. Para prosseguir com a exemplificação, considere o saldo médio de R$ 5 mil.

3. Divida os resultados anteriores

Para chegar ao payback, basta dividir o investimento inicial pela média do fluxo. Considerando os valores utilizados nos exemplos acima citados, teríamos:

  • R$ 50 mil / R$ 5 mil = 10 meses para recuperar a aplicação realizada.

Qual é a diferença existente entre payback simples e descontado?

O método simples é o que foi mostrado no tópico anterior. Embora seja de fácil entendimento, ele não serve para acompanhar a cotação do dinheiro em tempo real. A demonstração vai até o momento em que o investimento é recuperado, mas desconsidera a lucratividade que o negócio pode ter após o período estimado.

No método descontado, por sua vez, é possível ir mais adiante e compreender a diferença de poder econômico que um investimento pode trazer depois de um determinado período. Para isso, é necessário recorrer a uma nova variável — a taxa de desconto, também conhecida como Taxa Mínima de Atratividade (TMA).

A TMA é comumente atrelada a fluxos de caixa futuros ou projetados. Sendo assim, pode-se dizer que o payback descontado é um cálculo realizado para trazer ao valor presente o saldo do fluxo de caixa em um tempo futuro. Ele é importante justamente se levarmos em conta a desvalorização financeira, a inflação e outros fatores econômicos.

Seguindo essa linha de raciocínio, é preciso lembrar que todo bom gestor financeiro avalia novas possibilidades para reduzir os custos corporativos. Então, caso você pense em uma aplicação que proporcionará economias para a sua empresa, a fórmula do payback também deve ser sutilmente alterada.

Se você pode investir em um serviço terceirizado, por exemplo, que reduz seus custos mensais (R$ 50 mil) em 20%, você terá uma economia de R$ 10 mil por mês. Parta do pressuposto que essa aplicação implique o gasto adicional de R$ 20 mil mensais. Nesse caso, o payback será dado em meses pela seguinte fórmula:

  • R$ 70 mil (investimento padrão + novo investimento visando à economia) / R$ 10 mil (economia) = 7 meses.

Ou seja, nesse caso, você levaria 7 meses para obter o retorno de um investimento que também gerou redução de gastos.

Qual é a importância do payback e quais vantagens ele traz?

Assim como outros indicadores de performance, esse método traz diversos benefícios para o planejamento estratégico e para a previsão orçamentária de um negócio. Tenha em mente que, por depender de outras variáveis, ele pode apresentar resultados incompatíveis com a expectativa inicial, o que demanda atenção a todos os aspectos envolvidos.

Uma de suas grandes vantagens é o fato de ser uma fórmula de aplicação simples, que pode ser adaptada de acordo com as especificidades de seu negócio. Além disso, ela ajuda a verificar a viabilidade de um novo projeto ou de uma mudança em relação aos custos, conferindo uma visão mais ampla a respeito da tomada de decisão.

Outro ponto muito positivo nesse cálculo é que ele permite saber mais sobre a liquidez de uma aplicação — é possível compreender por quanto tempo um montante ficará “preso”, sem trazer retornos expressivos.

Enfim, o payback é uma poderosa ferramenta para se planejar melhor e elaborar previsões orçamentárias efetivas, essenciais para estabelecer uma boa gestão financeira em empresas de quaisquer segmentos.

Agora que você já sabe como calculá-lo, aproveite para entender como mensurar o ROI (retorno sobre investimento), outro índice financeiro de suma importância!

Escreva um comentário